Categorias
Notícias

Formandos do Novo Ensino Médio SESI SENAI já estão no mercado de trabalho

Cinquenta e quatro alunos vão concluir no dia 14 o Novo Ensino Médio Profissionalizante da Escola SESI 2021. Eles integram a primeira turma que vai receber dupla certificação na formação técnica e profissional em Eletrotécnica, pelo Serviço Social da Indústria (SESI) e Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI). Entre os formandos, vários estudantes já se iniciam no mercado de trabalho por conta do currículo diferenciado atribuído ao novo formato de ensino médio regular.

O finalista Ygor Furtado, 18, com formação em eletrotécnica pelo SENAI é um deles. Antes mesmo de concluir o Novo Ensino Médio, atua como jovem aprendiz no setor de inovação da Samsung, após passar por longa seleção para a vaga. Seu sonho é crescer profissionalmente, como técnico e futuramente como analista, após conclusão da dupla certificação do ensino médio do SESI SENAI e entrada na graduação em engenharia elétrica.

“Na empresa eu trabalho no setor de inovação, com projetos para a linha de produção de TV e inúmeras atividades envolvendo elétrica, dentro do que eu estudo pelo ensino profissionalizante do SENAI, uma área com que me identifiquei muito, por isso, pretendo concluir o ensino médio e cursar engenharia elétrica”, disse ele.

Formando em eletrotécnica, Furtado explica que pode atuar em diversas áreas, o que torna o curso mais amplo para o ingresso no mercado de trabalho. “Poderei trabalhar na indústria, na área predial, na área de eletrônica, TV, ar condicionado, enfim, dependendo muito da área em que irei me especializar. Como tenho mais conhecimento na área predial e industrial, quero engenharia elétrica, pois é similar às áreas de atuação”.

O aluno Vitor Simões, 18, também já está entre os alunos empregados atuantes na indústria, na manutenção da linha de produção da parte elétrica da empresa Swedish Match, e ingressou no mercado por conta da dupla certificação em parceria com o SESI SENAI.

“Não demorei muito a entrar no mercado de trabalho. O que me fez diferente foi o curso de eletrotécnica, porque na empresa eu vou seguir nessa área, na parte de manutenção até chegar à linha de produção. Esse curso me ajudou muito a me desenvolver como pessoa e como profissional. Me ensinou desde fazer um currículo até a desenvolver as habilidades profissionais”, avaliou Simões.

Para se especializar cada vez mais na área, Vitor já começou, também pelo SENAI, o curso de NR-10, Norma Regulamentadora que garante a segurança e a saúde dos trabalhadores que interagem nas instalações e serviços com eletricidade. Ele também quer ingressar na faculdade de engenharia elétrica após conclusão do ensino médio.

O despertar pela robótica educacional

Responsável pela área de programação na equipe de robótica da Escola SESI Dra. Emina Barbosa Mustafa, Team Prodixy, o aluno finalista Nelson Keiji, 17, se descobriu na área profissional por meio do ensino da robótica na escola. “Eu não conhecia nenhuma área de forma muito profunda e é exatamente isso que eu acho muito legal na robótica, porque ela consegue mostrar para a gente quais áreas estão disponíveis para seguir e como funcionam na vida real”.

Ganhador de premiações regionais, nacionais e até internacionais, em robótica pelo SESI, Keiji também receberá a certificação profissionalizante que já o gabarita para ocupar vagas no mercado de trabalho, até internacionalmente. “Estou em três projetos: um deles é um aplicativo de compras em que a central fica na Bahia e eu ajudo no suporte e manutenção do sistema; o outro utiliza análise de dados de lojistas de moda, ou seja, viabiliza compra e venda de roupas com inteligência artificial para melhorar a venda, o estoque de roupas. No (projeto) mais recente, a central fica na Alemanha. Faço, ainda, a manutenção de website uma empresa que utiliza análise de dados para detecção de vírus em arquivos”, contou.

O aluno explica que, ao contrário do que muitos pensam, os torneios de robótica não são direcionados somente aos robôs, mas envolvem diversas outras áreas para montagem e execução dos projetos. “Eu participei de áreas como o marketing, gestão financeira, engenharia, programação, entre outras. E, entre todas essas áreas, eu acabei me identificando com a programação, uma parte que mexe mais com computador, lógica e matemática”, descreve.

Categorias
Notícias

Aluno do SESI cria tabela periódica 3D em braile para colegas deficientes visuais da rede pública

Para uso nas escolas da rede pública municipal e estadual de estudantes deficientes visuais, o aluno da Escola SESI Dra. Emina Barbosa Mustafa, Vitor Gabriel Simões, 18, desenvolveu, em parceria com o Conselho Regional de Química XIV Região, uma tabela periódica em braile 3D, criada com o uso da tecnologia de impressão 3D, utilizando filamentos para modelagem dos 118 elementos catalogados na tabela periódica.

Com o uso do programa Autodesk Inventor, software completo de ferramentas de engenharia para criação de projetos 3D e documentação e simulação de materiais, o aluno finalista da primeira turma do Novo Ensino Médio SESI SENAI desenvolveu, em parceria com o Conselho de Química, um projeto da tabela periódica completo em braile e 3D para uso nas escolas públicas e estaduais.

“Eu fico muito feliz de poder colaborar com esse projeto para as pessoas que possuem deficiência visual, porque existe essa dificuldade de aprendizado deles em química e através dessa tabela periódica 3d em braile, eles vão poder, assim como os outros alunos, identificar os elementos, o número atômico, entre outras coisas, e isso é muito prazeroso, saber que estamos fazendo parte desse projeto de inclusão dentro das escolas”, disse o aluno.

Com o auxílio da professora de química da Escola SESI e Relações Institucionais do Conselho Regional de Química XIV Região, Ana Caroline Duarte, e do professor do SESI e técnico da equipe de robótica Team Prodixy, Glauco Soprano, o projeto já foi desenvolvido e está em processo de impressão dos 118 elementos.

“Está sendo feito um mapeamento pelo Conselho de Química desse quantitativo do material dentro das escolas públicas e estaduais. Conforme for levantado esse número, o SESI irá realizar as impressões para entrega desse material para o Conselho e posteriormente para esses alunos” explicou Duarte.

A parceria conta com os materiais e filamentos necessários para produção, doados pelo Conselho de Química; a modelagem é feita pelo aluno do Novo Ensino Médio do SESI SENAI, Vitor Simões, e a impressão conta com a impressora 3D da Escola SESI Dra. Emina Barbosa Mustafa. Ao todo, a amostra, depois de revisada e ajustada no software utilizado para criação, leva cinco dias corridos para impressão de todos os 118 elementos.

Categorias
Notícias

5 motivos para escolher Escola SESI Parintins

Com as matrículas abertas para o ano letivo de 2022, a Escola SESI Padre Francisco Luppino, em Parintins, oferta ensino fundamental do 1º ao 9º ano. A Rede SESI de Educação no município, a 369 km de Manaus, oferece diferenciais que incluem uma equipe multidisciplinar com pedagogos, bibliotecárias e psicólogos; participações municipais e nacionais em torneios de robótica e olimpíadas, além de contato direto desde os anos iniciais com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), alinhada à metodologia voltada para o mundo do trabalho.

Conheça mais cinco diferenciais e venha fazer parte da maior rede de escolas privadas, garantindo a sua vaga em 2022 na Escola SESI Parintins:

  1. Material didático autoral e atualizado

Centrada em preparar os alunos para os desafios tecnológicos e as profissões do futuro, a Rede SESI de Ensino lançou no último ano o novo Sistema Estruturado de Ensino (SEE) alinhado com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC). As escolas SESI aplicam novas matrizes curriculares e material didático reformulado, autoral, próprio e com metodologias ativas, em parceria com o grupo Somos Educação.

O modelo reúne um conceito pedagógico voltado para o desenvolvimento produtivo/industrial, baseado na lógica Steam (Ciência, Tecnologia, Engenharia, Matemática e Artes) e com atividades em programas de computador (uso do Minecraft e de I.A), além das noções de programação por meio do kit de Robótica.

  • Estrutura física e remota

A Escola SESI Parintins conta com laboratório de informática, sala de lego/ robótica, psicologia, biblioteca, quadra coberta e refeitório.  Para estrutura remota com o ensino híbrido, na pandemia, os alunos usufruíram de salas de aulas personalizadas via plataformas digitais, com encontros ao vivo pelo ambiente virtual de aprendizagem on-line Plurall, disponível no Portal SESI de Educação, e com a ferramenta Google Meet e Office 365.                                  

  • Robótica dentro da grade curricular desde o 1º ano

O SESI é um dos pioneiros a trabalhar com robótica educacional, por meio do Torneio de Robótica iniciado em 2013. Com salas equipadas com lego dentro da Escola SESI Parintins, a robótica faz parte da grade curricular desde o 1º ano e o que os alunos aprendem é aplicado em sala de aula, com interdisciplinaridade.

Da sala de aula às competições: os alunos são incentivados a participar de torneios em nível nacional e internacional de robótica. Na última edição da etapa nacional, por exemplo, em março de 2020, alunos da Escola SESI Parintins foram custeados pela Rede SESI para ida presencial no Torneio Nacional que ocorreu em São Paulo (SP), reunindo estudantes de todo o Brasil nas competições First Lego League (FLL), F1 in Schools e First Tech Challenge (FTC). 

  • Participação em olimpíadas

Os alunos também são incentivados a competir nas Olimpíadas internas e externas nas áreas científicas e tecnológicas. Na última edição da Olimpíada Parintinense de Matemática (OPM), por exemplo, 54 alunos da Escola SESI Padre Francisco Luppino realizaram avaliações externas promovidas pelo Centro de Estudos Superiores de Parintins (Cesp) da Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

Ao longo dos anos, os alunos também participam da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas e Privadas (OBMEP), Olimpíada Canguru de Matemática e do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), para participar do diagnóstico da educação básica brasileira feito pelo Inep em que se identifica os fatores que podem interferir no desempenho do estudante.

  •  Língua Inglesa dentro de sala de aula

O ensino da língua inglesa, desde o 1º ano, faz parte da grade curricular dos alunos. Com a disciplina de língua inglesa da Rede SESI os alunos aprendem uma segunda língua, a partir de atividades direcionadas desde os níveis iniciais, e uso de material didático próprio, do 1º ao 9º ano. 

Categorias
Notícias

Escola SESI de Parintins tem retorno 100% presencial

De forma remota e com ensino a distância e híbrido desde março de 2020, a Escola SESI Padre Francisco Luppino, no município de Parintins, distante 369 km de Manaus, retorna às atividades 100% presenciais com protocolo de segurança e higienização rígidos contra a covid-19.  A escola aguardava decreto da Prefeitura Municipal para liberação do retorno às aulas presenciais com os 206 alunos do 1º ao 9º ano. Todos os professores e equipe técnica da unidade estão vacinados com as duas doses da vacina contra o Coronavírus.

A Escola SESI de Parintins voltou em maio ao ensino presencial com os alunos escalonados em dois dias da semana, divididos por grupos. O primeiro, nas segundas e quartas, e o segundo, nas terças e quintas. A sexta-feira ficava reservada para todos nas aulas via plataformas digitais, com encontros ao vivo pelo ambiente virtual de aprendizagem on-line Plurall, disponível no Portal SESI de Educação, e com a ferramenta Google Meet e Office 365.

“Estamos muito felizes por esse retorno dos alunos ao formato 100% presencial e voltamos em ritmo de acolhida festiva, porque devido ao tempo que estivemos no ensino a distância e depois no ensino híbrido, encerramos 2020 com pouco ou nenhum contato com os estudantes e, em 2021, não foi diferente, muitos alunos ainda nem se conheciam presencialmente, então fizemos o momento para acolhida e troca entre eles”, disse a gerente da Escola SESI Parintins, Geisiane Campos.

Com o projeto “Olimpíada das Cores”, elaborado pelo professor de Educação Física da Escola SESI Parintins, os alunos foram estimulados ao trabalho coletivo em equipe, além de explorar habilidades e aspectos sociais e motores, como o respeito, valorização do outro e espírito de competição amigável.

“As equipes são formadas por cores, em que as turmas interagem entre si e, em vez de defender sua turma na competição, eles defendem as cores da equipe a qual está representando”, explicou Campos, ao ressaltar que para o retorno das atividades com os alunos de forma segura, a Escola SESI Parintins reforçou a sensibilização e os cuidados no retorno às aulas presenciais. 

Ambientes como sala de aula e refeitórios estão demarcados para que haja o distanciamento necessário entre as cadeiras, uso constante de máscaras. Álcool em gel e higienização das mãos também fazem parte das mudanças, além da aferição da temperatura na entrada da escola.

Os alunos dão continuidade às atividades escolares presenciais, com o uso do material didático autoral das Escolas SESI em 2021. Os livros e a nova matriz curricular estão compostos de atividades em programas de computador (uso do Minecraft e de I.A), noções de programação por meio do kit de Robótica e com metodologias ativas, sendo preparados para um futuro cada vez mais tecnológico e voltado para a resolução de problemas.

“O contato direto com o aluno é muito importante, poder acompanhar e ver suas dificuldades, tirar as dúvidas e orientar quando necessário. A forma presencial nos possibilita esse olho no olho, os feedbacks instantâneos que favorecem a troca de informações e conhecimentos, muitas vezes a segurança do aluno no trabalho do professor é maior”, frisou a professora de Matemática da Escola SESI Parintins, Priscila Soares.

Categorias
Notícias

Alunos da Escola SESI Parintins estão na Olimpíada Parintinense de Matemática

Cinquenta e quatro alunos da Escola SESI Padre Francisco Luppino, em Parintins, estão imersos no desafio das equações e operações matemáticas, raciocínio lógico, probabilidade, regra de três, porcentagem, exponenciação, radiciação e geometria. Trata-se da Olimpíada Parintinense de Matemática (OPM), nos dias 6 e 7, para alunos de escolas públicas e particulares do 6º ao 9º ano do ensino fundamental e do 1º ao 3º ano do Ensino Médio, da zona urbana e rural do município.

A competição busca estimular e promover o estudo da matemática entre os alunos e identificar jovens talentos para incentivar seu ingresso nas áreas cientificas e tecnológicas. Na primeira fase, os alunos farão uma prova objetiva com 10 questões de forma on-line, que pode ser feita pelo celular ou computador (via formulário do Google), recebendo posteriormente sua pontuação.

O Centro de Estudos Superiores de Parintins (Cesp), da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), promove a olimpíada por meio do curso de licenciatura em matemática. Os alunos e professores inscritos recebem uma lista de 20 questões de cada nível para simular as avaliações que envolvem assuntos de ensino fundamental e médio. Para os alunos participantes do 6º ao 9º ano do SESI, o preparo foi reforçado também em sala de aula, com uso do material didático autoral da Rede SESI de Educação.

“Eu falo aos alunos que a matemática é concreta, não adianta ensinar sem mostrar na prática, então a minha intenção é sempre explorar ao máximo o material didático autoral, justamente porque traz essa sequência ideal para o ensino, além de explorar temáticas atuais como a própria pandemia, com exemplos, como o contexto das vacinas para o Covid-19, produção de máscaras etc”, explicou a professora de Matemática da Escola SESI Parintins, Priscila Soares.

Na maior parte do período de preparação para a competição, os alunos estavam no ensino hibrido, ou seja, de segunda a quinta-feira, estudavam, presencialmente, na Escola SESI Padre Francisco Luppino e na sexta-feira os alunos tinham aulas remotas em casa pelo Google Meet. Por determinação do decreto municipal em Parintins, as aulas ainda não foram liberadas para ser 100% presencial.

“Estou fazendo um intensivo, associando o livro com a lista da UEA. Com isso estou preparando os alunos para as provas externas, além de incentivar essa participação nas competições da área, sejam elas municipais ou nacionais, como é o caso da Olimpíada Canguru, por exemplo. Essa integração é também uma forma de aproximar os alunos das universidades e secretarias de educação, desde os anos iniciais”, disse Soares.

Para a segunda fase da competição, apenas 5% dos alunos de cada nível com o melhor desempenho na primeira fase irão realizar a prova, que será discursiva e objetiva, de forma presencial, em setembro de 2022. Os alunos com as melhores pontuações serão premiados com medalhas e aparelhos de celular.

A Escola SESI Padre Francisco Luppino, localizada na Rodovia Odovaldo Ferreira Novo, s/n, Djard Vieira, em Parintins (AM), está com as matrículas do ano letivo de 2022 abertas para o Ensino Fundamental I e II (1º ao 9º ano). Os interessados podem entrar em contato pelo Whatsapp ou ligação nos números: (92) 98156-8689/ 98156-3988/ 99191-0922/ 99132-9553.

Categorias
Notícias

Aluno do SESI com síndrome de Down se forma em Eletrotécnica

Do maternal ao ensino fundamental e ao ensino médio com formação profissionalizante, o aluno João Victor Batista, 20, com síndrome de Down, é um dos finalistas do Novo Ensino Médio Profissionalizante da Escola SESI em 2021. Foram 17 anos na Rede SESI de Educação até concluir a etapa de estudos, com formação técnica e profissional em Eletrotécnica, pelo Serviço Social da Indústria (SESI) e Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI).

“O João tem síndrome de Down, mas sempre encarei isso como inclusão e não como limitação”, ressaltou Maria da Conceição Batista, 49, ao relembrar emocionada a trajetória do filho dentro da Escola SESI Dra. Emina Barbosa Mustafa. “Estudando no SESI há 17 anos, ele aprendeu tudo aqui. Foi alfabetizado pelos professores do SESI, aprendeu a ler, escrever e hoje sairá com certificação até em curso técnico pelo SENAI”, descreve a mãe.

Bem ativo e participativo nas aulas, João é um dos 56 finalistas da primeira turma do Novo Ensino Médio do SESI/ SENAI. O novo formando ingressou no SESI, quando tinha apenas três anos, no maternal. Desde então o estudo sempre foi sua prioridade e ao longo dos anos, dentro da Escola SESI, contou com auxílio da equipe multidisciplinar para suporte necessário nas aulas com assistente social, psicóloga, enfermeira e pedagoga.

“Eu já ouvi muita coisa de pessoas externas, diziam que ele não ia conseguir e meu filho, a cada dia que passa, prova o contrário e eu sou muito feliz e realizada por poder proporcionar e viver ao lado dele para aplaudir a cada nova conquista, e o SESI faz parte disso como uma família”, disse ela.

Na fase de adaptação ao retorno 100% presencial, o aluno estudava em casa, por conta da pandemia e por se encaixar no grupo de risco. Demorou ao retorno presencial diário, mas apesar de ter se adaptado ao ensino remoto, de acordo com a mãe, contava os dias para liberação do presencial. “Ele pedia todos os dias para voltar para escola e rever os amigos”.

Na rotina dentro da Escola SESI todos os alunos com necessidades especiais como síndrome de Down, autismo e transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH), que necessitam de um auxilio nas atividades, são acompanhados por um profissional exclusivo no reforço escolar. No caso do João Victor, com o Novo Ensino Médio, o acompanhamento continuo é feito tanto nas dependências do SESI, com as aulas regulares, como no ensino profissionalizante do SENAI, nos laboratórios da Escola SENAI Antônio Simões, no Distrito Industrial.

“Muitos assuntos o João acompanha no mesmo nível, outros precisa de adaptação e os professores, por conhecerem a necessidade, fazem os ajustes necessárias para o nível de entendimento dele, porém ele acompanha o mesmo currículo, atividades e livros igual a todos os alunos”, disse a pedagoga do Novo Ensino Médio do SESI, Genilda Tinoco.

No Novo Ensino Médio o aluno não é só avaliado de forma cognitiva, mas é avaliado em um todo. “Temos cinco avaliações, sendo uma delas para o aluno produzir algo (autoria) e João sempre se destaca nas suas produções, com os materiais de texto, vídeo e música”, explica a pedagoga, ao detalhar que no novo formato de avaliação, percebe um progresso em todos os alunos.

“Vejo que nem sempre o aluno desempenha bem um estilo de prova mais convencional, por diversos fatores, não só a questão do conhecimento em si. Quando desenvolve um projeto, por exemplo, ele se sente mais protagonista do processo e costuma responder melhor e tudo isso é explorado e avaliado”.

Planos para o futuro

No quarto ano de implementação no Amazonas do Novo Ensino Médio SESI/ SENAI, João faz parte da primeira turma que receberá no final do ano a dupla certificação de ensino médio com formação técnica e profissional em Eletrotécnica, mas não pretende parar os estudos por aí. De acordo com o pai, Eder Batista, 57, e a mãe Maria da Conceição, João tem demonstrado interesse também pela culinária e quer fazer curso de panificação pelo SENAI.

“Ultimamente ele tem falado muito que quer fazer cursos na área de panificação, aprender a cozinhar e fazer pão e bolos, eu só incentivo. Vi que no SENAI tem esse curso de qualificação e, se ele quiser, quando concluir a escola, vou me inscrever junto com ele para dar apoio e força”, contou a mãe.

O SESI está com as matrículas abertas para 2022 no Novo Ensino Médio Profissionalizante, do 1º ao 3º ano, com formação técnica em Mecatrônica, Redes de Computadores ou em Eletrotécnica, pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI Amazonas). Para mais informações, ligue ou mande mensagem pelo WhatsApp (92) 98156-8689/ 98156-3988/ 99191-0922/ 99132-9553.

Categorias
Notícias

SESI realiza olimpíada para 178 alunos de Iranduba

Com o intuito de proporcionar aprendizado, de forma lúdica e prazerosa, a Escola SESI David Nóvoa Alvarez, no município de Iranduba (a 25 quilômetros de Manaus), promoveu na sexta-feira, 24, a Olimpíada de Língua Portuguesa e Matemática, com a participação de 178 alunos do ensino fundamental I. No dia 1º de outubro haverá premiação, com entrega de certificado aos participantes.

De acordo com a gestora da escola, Viviane Barroso, o objetivo da olimpíada é desenvolver nos alunos a comunicação, o raciocino lógico e o pensamento crítico. “Buscamos efetivar o processo de ensino aprendizagem desenvolvido em sala de aula de uma forma diferente e significativa”, frisa a gerente.

Das provas fizeram parte jogos, como boliche, soletrando, tangram (quebra-cabeças geométrico chinês), caça sílabas e torta na cara, com perguntas e respostas voltadas aos componentes curriculares de língua portuguesa e matemática.

As perguntas e respostas de língua portuguesa abordaram sinônimo e antônimo, substantivos próprios e comuns, reconhecimento das vogais, alfabeto e sílabas, e as de Matemática, situações com problemas e a utilização da tabuada e suas quatro operações.

Os pais puderam acompanhar a programação do evento no grupo do WhatsApp feito pela escola, o que permitiu a participação direta de todos, como foi o caso da Taisa Menezes dos Santos Rivera, mãe da aluna do 1º ano, Macsima, 6 anos.

“Nosso critério maior, ao escolher uma escola para colocar nossa filha, não era apenas estar perto de casa ou uma mensalidade acessível, mas, sim, ter a certeza de que os valores educacionais e humanos seriam sempre mantidos”, frisa Rivera.

Para Taisa Rivera, a Escola SESI do Cacau Pirera, dá essa confirmação, assim como a segurança e certeza de que a família fez a melhor escolha em matricular a filha no SESI.

Essa programação faz parte da grade curricular da Escola SESI David Nóvoa Alvarez, que tem capacidade para 200 alunos, e equipada com laboratório de informática para que o aluno realize aulas de educação tecnológica, com acesso a maletas LEGO, ferramentas Minecraft, jogos multimídias, e realize pesquisas, com acesso ao Portal SESI de Educação, sala de leitura e biblioteca.

Mais informações sobre matrículas do SESI podem ser obtidas pelo Whatsapp (92) 98443-6986 / 98441-7688.

Categorias
Notícias

Alunos do SESI praticam biblioterapia, o contato com as emoções pela leitura

Viajar para outros espaços, épocas, conhecer personagens únicos e se identificar com novas histórias e emoções, tudo isso é possível sem sair de casa e ainda com uso do celular. É o que propõe a bibliotecária Andrielle Marques, na Escola SESI Dra. Emina Barbosa Mustafa, com o projeto “Explorando a Biblioterapia no Setembro Amarelo”, nascido no mês da campanha que alerta sobre os cuidados com a saúde mental e pelo qual os alunos do ensino fundamental e do Novo Ensino Médio recebem livros digitais, semanalmente, com histórias que exploram os cuidados mentais. A ideia é seguir com o projeto ao longo do ano.

A prática da terapia por meio da leitura ocorre todas as sextas-feiras via grupos no WhatsApp com a participação de pais e alunos. Os livros são selecionados conforme a faixa etária dos leitores e com temas diferenciados para abordar emoções com as crianças e jovens. A bibliotecária, junto com a psicóloga Relly Ane Fonseca, escolhe os livros que ajudarão os leitores a criar o hábito de ler, não apenas com foco nas histórias, mas nas emoções.

“Para tratarmos da valorização da vida, escolhemos promover por meio da leitura o contato com as emoções. Aquelas que vêm dos contos, histórias, poesias que tocam de maneira especial e promovem alívio, alegria, até a tristeza, que nos ensinam que tudo isso faz parte, passa e que os diferentes personagens dos livros têm suas histórias, e assim mesmo acontece na vida real, onde o fim da história deve acontecer da maneira natural”, diz Andrielle Marques.

Na primeira semana do projeto, os alunos mais novos do 1º ao 4º ano receberam o livro digital “A Borboleta Rosa” que, de acordo com Marques, aborda os assuntos autoestima, saber aceitar, respeitar e conviver com as diferenças, experiência vivida pela Borboleta da história que não gostava da própria cor. Com o “Sovaco da Cobra”, os alunos do 5º ao 6º ano trataram sobre como cuidar do lugar em que se vive.

“Trazendo essas emoções dos livros e o hábito da leitura você se conecta com os personagens e vive as emoções deles também, fica alegre a cada conquista ao longo da história e vai mergulhando na leitura”, relata Andrielle, ao acrescentar que, além de livros, o link enviado via Google Docs permite aos alunos e pais deixarem seus comentários sobre o que acharam das histórias. “Na primeira semana já recebi comentários de alunos, que leram com os pais e ficaram felizes com a descoberta da Borboleta – sobre como uma simples palavra de ânimo mudou sua maneira de pensar -, outros relataram que ficaram presos na história, querendo saber o final, então isso é sinal de que uma semente está sendo plantada pela leitura, tornando-se mais próxima da realidade deles”, expõe.

Para a segunda semana do projeto, o tema “Como vai você?” irá ressaltar os benefícios da leitura para redução do estresse, aprendizagem e exercitar a mente, pelos livros “A flor que chegou primeiro”, para o ensino fundamental 1, e “Diário de Anne Frank”, versão em quadrinhos para os alunos mais velhos.

“Para o ensino médio, apesar do contato obrigatório com os paradidáticos dos vestibulares, quero que esse incentivo à leitura tenha outro olhar, tornando-se acima de tudo um hábito prazeroso em que eles (os estudantes) possam ter nessa leitura uma influência na maneira que se relacionam com o aprendizado, por exemplo, ajudando a melhorar o vocabulário e exercitar a mente”, explica Marques.

Corredor da Esperança

Com os diferentes projetos no tema de saúde mental desenvolvidos pelos professores, bibliotecária, psicóloga e assistente social da Escola SESI Dra. Emina Barbosa Mustafa, os alunos inauguram hoje, 22, o “Corredor da Esperança”, com frases motivacionais ao longo do espaço, dentro da escola, que conta com painéis temáticos da campanha, dicas de livros com QR Code para baixar no celular e realizar a leitura, além de um mural colaborativo para que os alunos se sintam à vontade para relatar como se sentem em post-its grudados na parede.

“O local foi estratégico para que os alunos de fato se sintam bem em falar sobre como se sentem. Por ser uma parte mais isolada na escola, a ideia é que esse aluno em algum momento que passar por aqui, se sinta à vontade de escrever no post-it e sem precisar se identificar, porque a ideia é também que outros alunos leiam o que os colegas escreveram e vejam que o seu problema às vezes pode ser pequeno diante do outro, ou então que você não é o único que está passando por isso”, diz a psicóloga do SESI, Relly Ane Fonseca.

Categorias
Notícias

Aluno do Novo Ensino Médio já sai com profissão, diz pedagoga do SESI

O Serviço Social da Indústria (SESI) e Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) vão consolidar em 2022 o quarto ano de implementação do Novo Ensino Médio no Amazonas, sendo as respectivas instituições pioneiras no estado na adaptação e oferta do novo formato de ensino, que se torna obrigatório a partir do próximo ano para todas as escolas da rede pública e privada, conforme alteração na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). A primeira turma de 56 alunos formandos do SESI/SENAI receberá no final do ano a dupla certificação de ensino médio com formação técnica e profissional em Eletrotécnica.

Com nova organização curricular, que contempla a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e a oferta de diferentes itinerários formativos, com foco em áreas de conhecimento e na formação técnica e profissional, conforme alteração na LDB, a carga horária mínima anual no ensino médio foi ampliada para mil horas.

De acordo com a gerente da Escola SESI Dra. Emina Barbosa Mustafa, Ana Karina Holanda, na nova estrutura curricular, os alunos têm autonomia para escolher as áreas de afinidade e concluem o ensino médio juntamente com o curso técnico ofertado em parceria com o SENAI que, para o próximo ano, irá ofertar formação técnica em Mecatrônica, Redes de Computadores ou em Eletrotécnica. As Escolas SESI já estão com matrículas abertas para 2022.

Formada há mais de 19 anos pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM), em Pedagogia, Ana Karina Holanda tem especialização em Supervisão Educacional e em Psicopedagogia, pela Instituição de Ensino Superior Martha Falcão.

O que é o Novo Ensino Médio?

Ana Karina- A mudança na estrutura do Novo Ensino Médio SESI/SENAI amplia a carga horária mínima anual das escolas de 800h para 1.000h. O estudante cursa o Ensino Médio + Curso Técnico com uma metodologia muito mais dinâmica, flexível e criativa, com foco nas áreas de conhecimento e na formação técnica e profissional.

Quais são os benefícios para os estudantes com a nova organização curricular?

AK- O aluno já sai do Ensino Médio com uma profissão. Por meio desse novo currículo, a parceria entre SESI e SENAI objetiva que seus estudantes desenvolvam competências e habilidades necessárias ao mundo do trabalho, nos aspectos sociais, cognitivos e científicos, para que se preparem para as profissões existentes e reflitam sobre campos de atuação profissional e transformações das carreiras especialmente para a indústria nacional e internacional. O Novo Ensino Médio também proporciona aos adolescentes e jovens a construção de uma vida social, cultural, tecnológica que permita o seu ingresso no mundo do trabalho e possibilite a continuidade dos seus estudos no nível superior.

Como funciona?

AK- O currículo do Novo Ensino Médio, com itinerários formativos, busca a centralidade em competências e habilidades/capacidades, contextualizadas na realidade do mundo atual e se propõe a superar a tradição pautada em uma grade de conteúdos enciclopédicos descontextualizados. Assim, o projeto pedagógico contempla as seguintes dimensões de formação: áreas de conhecimento; competências e habilidades; objetos de conhecimento; metodologias de ensino com ênfase em projetos e práticas de pesquisa e de protagonismo.

E as disciplinas tradicionais continuam no currículo?

AK – Sim, as matérias tradicionais de física, química e biologia continuam existindo, mas são apresentadas em um novo contexto para os alunos, dividido em cinco grandes áreas do conhecimento: Linguagens e suas Tecnologias (conteúdos de língua portuguesa, literatura, língua estrangeira, artes, educação física e tecnologia da informação e comunicação); Ciências Humanas e suas Tecnologias (história, geografia, filosofia e sociologia); Ciências da Natureza e suas Tecnologias (química, física e biologia); Matemática e suas Tecnologias; e Formação técnica e profissional (cursos técnicos em parceria com o SENAI).

Como ficou dividida essa carga horária nos três anos do Ensino Médio?

AK- O Projeto de Cursos para Itinerários do Novo Ensino Médio, desenvolvido conjuntamente pelo SESI e SENAI, divide 3.000 horas de Ensino Médio, em 1.800 horas de educação básica e 1.200 horas para formação profissional, de acordo com a nova grade proposta pelo MEC, sendo tudo em um único turno pela manhã: O 1º ano é reservado para Formação Geral (800h) + Iniciação para o Mundo do Trabalho (200h), com um dia na semana com aulas no SENAI. O 2º ano para Formação Geral para a Área Industrial (600h) + Módulo Integrador (400h), com dois dias no SENAI; o 3º ano, com Formação Geral para a Habilitação Técnica (400h) + Habilitação Técnica no curso escolhido (600h) e três dias no SENAI.

Quais cursos técnicos o aluno tem para cursar em parceria com o SENAI?

AK- Para 2022 a escola SESI/ SENAI irá oferecer as opções de cursos técnicos de Eletrotécnica, Mecatrônica e Redes de Computadores. O aluno já se inicia no 1º ano do Ensino Médio, com o módulo do Mundo do Trabalho, que é uma estratégia adotada pelo SENAI para assegurar que os estudantes façam suas opções por um itinerário, fundadas no autoconhecimento; na visão contextualizada do mundo do trabalho; e no estabelecimento de um projeto de vida e carreira realista.

Como funciona a parte técnica do SENAI?

AK- Dividido em três módulos, os alunos no 1º ano do ensino médio têm contato com o mundo do trabalho, que estimula o autoconhecimento. No 2º ano, cursam o módulo Básico Introdutório, para que comecem a ter contato com áreas do curso escolhido, trabalhando os fundamentos iniciais. Para concluir a certificação, no 3º ano, os alunos têm o foco na ocupação profissional específica. As aulas da parte prática e teórica dos cursos técnicos são feitas in loco, utilizando toda a infraestrutura e os laboratórios dos cursos no SENAI.

Qual o material didático utilizado no ensino?

AK- As escolas da Rede SESI começaram este ano com o Novo Sistema Estruturado de Ensino, alinhado com a BNCC, com material didático próprio e autoral desde a educação infantil até o Ensino de Jovens e Adultos (EJA), passando também pelo ensino fundamental e o Novo Ensino Médio.

A proposta pedagógica de ensino para essa estrutura de ensino é fazer com que no lugar das antigas provas teóricas, desestimulantes, exista um novo conjunto de avaliações posicionando o aluno como protagonista do aprendizado. Os conceitos são gerados com base na resolução de problemas: produção autoral, projetos interdisciplinares, debates, teste de progresso e simulados.

O aluno encerra o Ensino Médio com dupla certificação?

AK- Ao final do 3º ano, o estudante receberá certificação única do ensino médio com formação técnica profissional SESI/SENAI. As duas formações e aprovações dependerão uma da outra, atendendo às exigências da legislação. Todo esse modelo é ideal para que o jovem estabeleça relação entre teoria e prática, além de se preparar para o ensino superior e os desafios do mundo do trabalho.

Como fica a relação Novo Ensino Médio e os vestibulares Enem, Macro, Sis e Psc?

AK- A reforma do Novo Ensino médio não trata especificamente de nenhum dos vestibulares, sendo assim, as alterações da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional não interferem diretamente nos processos seletivos das universidades.

Quando se tornará obrigatório nas escolas?

AK- Conforme a Lei nº 13.415/2017, que estabeleceu uma mudança na estrutura do ensino médio, as escolas da rede pública e privada têm até o ano que vem, 2022, para se adaptar e implementar a reforma do Novo Ensino Médio nas instituições.

Qual escola do SESI oferta o Novo Ensino Médio?

AK- OSESI oferece o Novo Ensino Médio na Escola SESI Dra. Emina Barbosa Mustafa, localizada na Av. Cosme Ferreira, 3295, Aleixo, telefone 98545-3502 ou 98443-6358. Em 2022, o SESI já vai para o quarto ano de atuação com a nova estrutura que irá formar 56 alunos com a certificação do Novo Ensino Médio com técnico em Eletrotécnica.

Categorias
Notícias

Escolas SESI estão com matrículas abertas para 2022

A Rede SESI de Educação está com as matrículas abertas para o ano letivo de 2022 na Educação Infantil (Creche e Pré-Escola), Ensino Fundamental, do 1º ao 9º ano, e para o Novo Ensino Médio Profissionalizante, do 1º ao 3º ano, com formação técnica em Mecatrônica, Redes de Computadores ou em Eletrotécnica, pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI Amazonas).

O Serviço Social da Indústria (SESI) e SENAI vão consolidar em 2022 o quarto ano de implementação do Novo Ensino Médio no Amazonas, sendo as respectivas instituições pioneiras no Amazonas na adaptação e oferta do novo formato de ensino, que se torna obrigatório a partir do próximo ano para todas as escolas da rede pública e privada, conforme alteração na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). A primeira turma, de 56 alunos formandos em Eletrotécnica, receberá no final do ano a dupla certificação do ensino médio com formação técnica e profissional SESI/SENAI.

Os novos alunos poderão escolher, entre os cursos, técnicos em Mecatrônica, Redes de Computadores ou em Eletrotécnica, realizados nos laboratórios do SENAI com todos os equipamentos e estrutura para as áreas de atuação da formação profissional, de acordo com a nova grade proposta pelo Ministério da Educação (MEC). O SESI está também com novo sistema estruturado de ensino, desde 2021, utilizando material autoral, reformulado e com novas matrizes curriculares. Assim, o aluno desenvolve e aprende cada vez mais alinhado com o olhar para um futuro tecnológico.

Em todas as escolas da Rede SESI o ensino é pautado, desde a Educação Infantil, pela Metodologia STEAM (Science, Technology, Engineering, Arts, Mathematics) que agrega conhecimentos nas áreas de Ciências, Tecnologia, Engenharia, Artes e Matemática. É uma metodologia integrada e baseada em projetos para formar pessoas com diversos conhecimentos, desenvolver valores, juntamente com os conteúdos abordados e preparar alunos e cidadãos para os desafios do futuro.

O SESI também oferece aos alunos, a partir do Ensino Médio, simulados, reforço online pelas plataformas Plurall e Geek, além dos aulões especiais de preparação, com professores de disciplinas como matemática e português. As Escolas SESI Dr. Francisco Garcia (Distrito Industrial) e Dra. Emina Barbosa Mustafa (São José) são dotadas de infraestrutura adequada, com laboratórios e quadras poliesportivas, além de educação tecnológica com a Robótica no currículo regular.

No município de Parintins, a Escola SESI Pe. Francisco Luppino oferece Ensino Fundamental I e II (1º ao 9º ano), assim como a Escola SESI Abrahão Sabbá, em Itacoatiara.

A prática esportiva também é incentivada pelo SESI como atividade extra aos alunos das escolas SESI, em Manaus, por meio da escola de esportes. As aulas são livres e com preços diferenciados para alunos da instituição.

Conheça as escolas da Rede SESI:

Em Manaus:

Escola SESI Dr. Francisco Garcia

Localizada na Av. Governador Danilo Areosa, 1531, no Distrito IndustriaI. Oferece turmas em tempo integral e parcial para Educação Infantil: creche e berçário (a partir de 4 meses), creche maternal (1 a 3 anos); pré-escola (1º e 2º períodos – 4 e 5 anos) e Ensino Fundamental I (1º ao 5º ano).

Contato Whatsapp: (92) 98415-5697/ 98442-8105.

Escola SESI Dra. Emina Barbosa Mustafa

Localizada na Av. Cosme Ferreira, 3295, Aleixo, atende em Ensino Fundamental I e II (1º ao 9º ano) e o Novo Ensino Médio Profissionalizante (1º ao 3º ano).

Contato Whatsapp: (92) 98545-3502/ 98443-6358.

Em Iranduba:

Escola SESI David Nóvoa Alvarez

Localizada na Rodovia Manoel Urbano, km 0, s/n, em Iranduba (AM). Oferece Ensino Fundamental I (1º ao 5º ano).

Contato Whatsapp: (92) 98443-6986/ 98441-7688.

Em Itacoatiara:

Escola SESI Abrahão Sabbá

Localizada na Rua Nossa Senhora do Rosário, 3840 – Jauary II, Itacoatiara (AM). Atende em Ensino Fundamental I e II (1º ao 9º ano).

Contato: 3521-1411 ou pelo Whatsapp: (92) 98443-3450/ 98441-7688.

Em Parintins:

Escola SESI Padre Francisco Luppino

Localizada na Rodovia Odovaldo Ferreira Novo, s/n, Djard Vieira, em Parintins (AM). Oferece Ensino Fundamental I e II (1º ao 9º ano).

Contato Whatsapp: (92) 98405-6693/ 99352-3586